Leitura › Matéria
03/06/2017 - A ERA DE SARDES
Sardes era a capital da antiga Lídia. Ela passou das mãos dos monarcas da Lídia aos Persas e daí para Alexandre o Grande. Ela foi saqueada por Antíoco o Grande. Os reis de pergamo depois reconquistaram o poder até que os romanos dominaram. Ao tempo de Tibério ela foi desolada por terremotos e pragas. Hoje é um montão de ruínas desabitadas.

Esta cidade era em determinada época uma cidade muito importante comercialmente. Plínio disse que a arte de tingir lã foi inventada ali. Ele era o centro onde se tingia tecidos de lá e tecia tapetes. Ela tinha uma considerável quantia de prata e ouro e disse que as primeiras moedas de ouro foram cunhadas ali. Ela tinha também um mercado de escravos.

A religião desta cidade era a impura adoração da deusa Cibele. As ruínas maciças do tempo ainda podem ser vistas. Vocês se recordam que na Era de Pergamo eu mencionei que o conceito babilônico da “mãe e do filho” conhecidos como Semiramis e Nimus Tornou-se a Cibele e Deoius da Ásia. Os atributos dados a estes dói são mais esclarecidos quando os observamos lado a lado. 

Ele era o deus do sol; ela a deusa da lua.Ele era o senhor do céu; ela a rainha do céu.

Ele o revelador da bondade e da verdade; ela da gentileza e da misericórdia.

Ele o mediador, ela a mediatriz.

Ele com a chave que abre e fecha os portões do mundo invisível; e ela com uma idêntica chave fazendo o mesmo.

Ele como o juiz dos mortos; ela como que estando a seu lado.

Ele sendo morto, ressuscitou e ascendeu aos céus; ela foi levada para lá corporalmente por seu filho.

O mensageiro para esta era é o mensageiro mais conhecido de todas as eras. Foi Martinho Lutero. Martinho Lutero era um brilhante advogado quando um longa enfermidade e a morte de um amigo intimo o levou a se preocupar seriamente com a condição espiritual de sua vida. Ele entrou para o convento Agostiniano em Erfrut em 1.505. Ali ele estudou filosofia e também a Palavra de Deus. Ele viveu uma Cida de severas privações praticando as mais duras penitencias, mas todos os atos externos não puderam banir seu sendo do pecado. Ele disse, “Eu me torturava até a morte para conseguir a paz com Deus, mas eu estava em trevas e não o descobria”. O vigário geral de sua ordem, Staupitz, ajudou a ganhar o conhecimentos que sua salvação teria de ser a experiência de uma obra interna e não um ritual. Com este encorajamento ele buscou a Deus mais ainda. Mais tarde ele se tornou sacerdote. No entanto ele não era ainda salvo. Ele se tornou em estudante ávido e profundo da Palavra e das grandes teologias existentes. Ele foi muito procurado como professor e pregador por causa do seu profundo conhecimento e grande sinceridade. Para cumprir um voto que ele fizera a si mesmo ele foi a Roma. Ali ele percebeu a futilidade das obras impostas pela igreja que era pra trazer salvação, e a Palavra de Deus atingiu em cheio o seu coração, “O justo vivera pela fé”.

Em seu retorno para o lar a verdade evangélica deste texto inundou sua mente e ele foi liberto do pecado e nasceu no reino de Deus. Logo depois disso ele foi elevado a Doutor em Divindade e comissionado, “A devotar a sua vida ao estudo e a exposição fiel e a defesa das Santas Escrituras”. Isto ele fez, e com tal eficácia que o seu coração, e os corações em torno de si foram profundamente fixados sobre a verdade da Palavra. A Palavra logo entrou em conflito aberto com os abusos dos credos das igrejas e suas doutrinas.

Assim quando Leão X tornou-se papa, e João Tetzel foi vender indulgências pelo pecado, Lutero não teve escolha a não ser levantar-se contra este ensinamento anti-escrituristico. 

Primeiro, ele bradou do púlpito contra isto e depois escreveu as suas famosas 95 teses que em 31 de outubro de 1.517 ele pregou na porta da Igreja de Castelo.

Em pouco tempo a Alemanha estava inflamada e a reforma continuava. Agora seja lembrado quer Martinho Lutero não era o único que tinha protestado contra a Igreja Católica Romana. Ele foi meramente um de muitos. Outros tinham negado aos papas seu poder temporal e espiritual auto-conferido, e mesmo entre os papas houve reformas menores. Sim, sim houve muitos outros que levantaram proclamações, mas no caso de Lutero, o tempo de Deus estava maduro para o movimento definido que seria o começo da restauração da igreja para um derramamento do Espírito Santo em uma data muito mais tarde.

Ora, o próprio Martinho Lutero era um cristão passivo de ser cheio do Espírito Santo. Ele foi definitivamente um homem da Palavra porque ele não tinha somente uma profunda paixão pelo estudo da mesma mais também de torna- lá acessível a todos a fim de que todos pudessem viver por ela. Ele traduziu o Novo Testamento e o deu ao povo. Este trabalho laborioso ele executou sozinho, corrigindo uma passagem até 20 vezes. Ele reuniu em torno de si um grupo de eruditos Hebreus entre os quais haviam judeus e tradutores do Velho Testamento.

Esta obra monumental de Lutero é ainda a obra sobre a qual todas as obras sucessivas da Escritura em alemão tem baseado.