Leitura › Notícia
17/09/2015 - Terremoto no Chile dia 16/09/15
Forte terremoto atingiu o Chile na noite desta quarta-feira, um tremor na magnitude de 8.3 na escala Richter ( mede a intensidade dos tremores), deixando inclusive um alerta para a possibilidade de ocorrerem Tsunamis, a estimativa desta manhã (17/09/15) é de oito pessoas mortas, segundo as reportagens os abalos foram sentidos na Argentina e Brasil. Mateus 24: 7 Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e TERREMOTOS, em vários lugares. Devemos estar apercebidos do momento que estamos vivendo, a hora da saída da esposa do Senhor Jesus tem chegado, devemos estar cheios de Seu Espírito Santo. Abaixo segue a matéria do site FOLHA DE SÃO PAULO - 17/09/15 Terremoto no centro do Chile deixa oito mortos e um desaparecido DE BUENOS AIRES DE SÃO PAULO Um terremoto de magnitude 8,3 atingiu na noite desta quarta-feira (16) a região central do Chile, incluindo a capital Santiago, deixando ao menos oito mortos e um desaparecido e obrigando mais de 1 milhão de pessoas a deixar suas casas, segundo informações do Ministério do Interior do país. Falando ao vivo na TV, a presidente Michelle Bachelet afirmou que pretende viajar às áreas afetadas durante a manhã de quinta-feira, mas não revelou o itinerário. Ela também decretou estado de catástrofe nas regiões próximas ao epicentro do tremor. Diante do abalo, já havia sido decretado alerta de tsunami na costa da região. Terremoto no Chile Segundo o Ministério do Interior, os mortos foram identificados como Lissette Araya Silva, 35, que morreu após a queda de um teto; Victoria Gloria Jofré, 20, vítima de um deslizamento de rochas, Luis Damaris, 67, que morreu no hospital em Valparaíso após sofrer um infarto, Renato Salazar Díaz, 91, e Humberto Fernández, 81, que também morreram por problemas cardíacos. Mais tarde, foram identificados mais três mortos: Isabel del Carmen Jopia García, que morreu enquanto pilotava uma motocicleta em uma via costeira, María Esmeralda Menai Carvallo, que sofreu uma parada cardiorrespiratória, e Félix Jesús Aguilera Tapia, 19, que foi atingido por pedras. O ministério também informou que as autoridades procuram Eduardo Enrique Carrera Pulido, 58, que desapareceu na localidade de Puerto Sargento Aldea. Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos, o epicentro do abalo foi registrado às 19h54 (mesmo horário em Brasília) a 8 km de profundidade, no litoral próximo a Canela Baja, na região de Coquimbo, 293 km ao norte da capital. Minutos depois, foram registradas duas réplicas, de magnitudes 6,2 e 6,4, na mesma região. Além de Coquimbo e Santiago, o tremor também foi sentido nas regiões chilenas de Valparaíso, Atacama, Maule e Bío-Bio. Do lado argentino da fronteira, os moradores das províncias de Mendoza, San Juan, La Rioja e Catamarca sentiram o terremoto com mais intensidade. O aeroporto de Mendoza chegou a ser fechado. Há relatos de que o temor foi sentido até na capital Buenos Aires. O Escritório Oficial de Emergência (Onemi) e os Carabineiros (a polícia militar chilena) retiraram os moradores da região costeira de suas casas. O Parlamento, em Valparaíso, também foi esvaziado. As primeiras ondas do tsunami chegaram à região central e ao sul do país. Segundo o Sistema Nacional de Alarme de Maremotos, a variação no nível das marés foi de 4,2 metros em Coquimbo, de 1,7 metro em Valparaíso e 0,8 metro em Constitución. Ainda não se sabe se as ondas provocaram danos graves. Houve relatos de alagamentos e cortes de eletricidade em áreas costeiras na região de Coquimbo. Na manhã desta quinta-feira (17) o governo retirou o alerta de tsunami. A direção do aeroporto de Santiago informou que o terminal não interrompeu suas atividades, e o metrô da capital chilena estava com velocidade reduzida apenas por precaução. Em 27 de fevereiro de 2010, um terremoto de magnitude 8,8 seguido por um tsunami deixou mais de mil mortos em todo o país. SÃO PAULO Reflexos do terremoto foram sentidos na cidade de São Paulo. Mapa terremoto CHILE De acordo com a cirurgiã-dentista Simone Borges, 38, o tremor atingiu com força o prédio onde ela mora, no bairro Morro dos Ingleses, próximo à avenida Paulista. "Moro no último andar do meu prédio, o 15º. A gente saiu de casa porque tremeu muito, meu lustre está balançando, tomei muito susto e cheguei a achar que fosse problema na estrutura do prédio", narra Simone. "Outras amigas no Whatsapp falaram que elas tinham sentindo no prédio delas também, então não é uma coisa localizada", acrescentou a cirurgiã-dentista. No Twitter, várias pessoas relataram ter sentido o abalo sísmico, principalmente na região da avenida Paulista. Na universidade Anhembi Morumbi, também na av. Paulista, alunos do décimo primeiro e décimo segundo andar do prédio se queixaram de tontura. Como comentaram no mesmo momento, por volta das 20h, a segurança foi acionada. Os bombeiros informaram minutos depois que os tremores foram percebidos em outra unidade da universidade, na avenida 13 de Maio. Alunos de marketing, Jessica, Marie e Thiago contam que a trepidação foi sentida no fundo da sala, no 11º andar. "A representante de classe foi averiguar e viu que as salas estavam vazias. Logo depois os bombeiros entraram pedindo que deixássemos a sala", conta Jessica Borges. O Corpo de Bombeiros informou que recebeu cerca de 50 ligações referentes aos tremores na avenida Paulista, Tatuapé (zona leste), Vila Mariana (zona sul), e em Osasco e Guarulhos (ambas na Grande SP). Apesar do chamado, até as 20h não havia relato de desabamento ou feridos. Segundo a corporação, caso tenham sentido os tremores, os moradores devem procurar por rachaduras na estrutura do edifício, sair de prédios e acionar a Defesa Civil. SANTOS Em Santos, no litoral paulista, houve relatos de tremores de terra de moradores dos bairros Ponta da Praia, Aparecida e Embaré. A Defesa Civil do município recebeu dezenas de ligações de pessoas narrando que tiveram tontura com os tremores e que houve falha na luz. Pelos relatos, o fenômeno durou por cinco ou seis segundos. Não houve danos a imóveis. Plantonistas da Defesa Civil explicaram aos moradores que possivelmente seria um reflexo secundário do terremoto no Chile. FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO